Contos

O Aprendiz, o ninho, o vento e o Mago

Existia um mago, no topo de uma colina, no lado leste de uma floresta, na parte sul de um reino, com esse mago, existia seu aprendiz, um garoto desajeitado, mas com um desejo de viver que ninguém podia julgar. O mago com toda sua sabedoria, ensinava o seu aluno aos poucos como manipular a magia e quais elementos eram usados para criar porções poderosas de cura e proteção.

O aprendiz, com toda sua sede de aprender, prestava atenção ao passo a passo dado pelo seu mestre, mas prestava atenção também a um pequeno ninho que tinha em um arvore que dava para ser vista da janela da cabana onde eles moravam, as vezes quando escutava o barulho do vento na porta da frente, ele também prestava atenção para ver se não tinha ninguém batendo na porta ou se era realmente só o vento, e quando ele voltava a prestar atenção somente ao seu mestre, ele notava o quanto ele estava cansado e precisando de um pouco de água, então sem pensar duas vezes e sempre acenando com a cabeça, concordando com seu mestre, mesmo sem ter certeza se devia, ele ia até a cozinha e pegava um copo de água para ele e seu tutor.

Como em todo os dias de estudo, o velho mago assim que finalizava de dá sua explicação sobre o feitiço ou porção, pedia para seu aluno demonstrar o que tinha entendido. O jovem aprendiz já ficava bastante animado, amava a parte pratica dos estudos, então ele sentava no lugar onde o mestre antes mostrava a porção, olhava para todos aqueles materiais e quando pensava por onde começar, percebia que não sabia quase nada do que o mestre tinha ensinado, mesmo lembrando de ter passado vários minutos olhando diretamente para as etapas ensinadas.

Então, sabendo que o seu mestre deveria ajudar a relembrar as etapas, pede para que ele relembre o passo 1 da porção, o tutor sem nenhum problema, relembra e o aluno rapidamente faz, para não esquecer, mas logo percebe que não lembra de mais nenhuma etapa e fala para seu mestre que não consegue lembrar o que vem adiante.

O velho mago com a idade avançada que tinha e o cansaço, fica bastante chateado, com a falta de atenção do jovem rapaz e desconsideração ao esforço feito por ele, e sabendo que não era a primeira vez que o aprendiz fazia isso, que estava cada vez mais comum, pede para que ele busque um tutor de magia mais novo e paciente ou que desista da magia.O jovem aprendiz, percebe que não faria sentido continuar estudando aquilo que não tinha sucesso, mesmo amando, desistiu de se tornar um mago e foi ao sul, no reino mais próximo, busca outras oportunidades, algo que ele pudesse ser realmente bom.

Gabriel Damazio

Graduando em Comunicação Social com ênfase em Educomunicação, técnico em Informática para Internet, e ainda participante em pesquisas na área de modalidades de ensino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *