Contos

A extraordinária Ester

Em um reino distante de tudo e de todos, no subsolo de seus 4 andares do castelo mais lindo, no penúltimo estábulo da parte norte deste palácio, vivia Ester, uma aranha grandiosa e brilhante que de tudo entendia e de todos os animais do reino cuidava, ela era extraordinária, tão inteligente e poderosa, que todos dias existiam filas de outros animais que desejavam receber um pouco de seus cuidados.

Mas mesmo com toda essa atenção e ocupação todos os dias, a extraordinária aranha aguardava o pôr do sol para mandar todos os animais para suas casas, para organizar o estábulo e também voltar para sua casa, que ficava um andar acima, em uma parte pouco ventilada do castelo, que ela adorava colocar suas teias.

Chegando em casa, a dona aranha, é recebida com um sorriso meio desconfiado e um abraço meio molhado do seu adorável filho, que acabará de sair de dentro de uma teia toda desajeitada que ele mesmo tinha feito no meio da sala de jantar, Ester que estava muito cansada ver toda a bagunça, respira fundo, abraça seu filho e vai em direção ao local para limpar tudo e preparar o jantar da família. Enquanto limpa a casa, ela pede muito para seu filho não fazer esse tipo de bagunça novamente, mas a criança pouco escuta e atrapalha a limpeza que a mãe tenta fazer, o jovem que também se cansa e começa a sentir fome, chora por não ter ainda o que comer, sua mãe que já conhece a rotina, corre para preparar a comida, para que seu filho coma e vá dormir, para aí sim ela poder limpar sua casa.

Mesmo sendo o ser extraordinário que de tudo sabe e que a todos ajuda, a aranha Ester não consegue descobrir ou entender o por que seu filho não parece receber os conselhos que todos entendem e não consegue entender como ele não é extraordinário como ela.

No outro dia, logo quando o sol decidiu despertar, Ester foi para seu estábulo, colocou uma placa falando que não iria atender ninguém, pegou vários dos seus livros em sua biblioteca quilométrica, começou a pesquisar e ler para descobrir o que o seu filho teria que ela não conseguia controlar ou mudar.

Um dia se tornou uma semana, uma semana se tornou um mês, até que finalmente ela descobriu o que seu filho tinha que o tornava tão elétrico e bagunceiro, ela muito animada, voltou para sua casa, viu sua casa novamente bagunçada e suja, pegou seu filho, colocou em seu colo e falou a ele que ele tinha um desafio, usar o material mágico que ela usava todos os dias para ajeitar a bagunça que ele criava, e que ele teria que ajeitar cada parte da sua bagunça no tempo de uma música que ela iria tocar, cada vez que ele terminasse uma tarefa, uma música favorita dele seria tocada até que ele pudesse apenas escutar suas músicas favoritas e não fazer mais nada.

O garoto que amava música, logo aceitou o desafio, começou pela sala de jantar, por que sabia que iria sentir fome quando acabasse, logo em seguida foi para seu quarto, por que sabia que iria querer dormir com o quanto organizado, então foi para o quarto de sua mãe, por que sabia que ela estava cansada, então voltou e ajeitou todos os outros cômodos, até a casa esta limpa e ajeitada, então ele correu para a sala e sorriu para sua mãe, que agora colocava suas músicas favoritas para tocar e chamava ele para dançar com ela.

 

Gabriel Damazio

Graduando em Comunicação Social com ênfase em Educomunicação, técnico em Informática para Internet, e ainda participante em pesquisas na área de modalidades de ensino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *